Hoje na Imprensa

Dólar volta a cair com cenário eleitoral, a R$ 3,721

O Globo, Economia, 10/out

Uma redução no volume de apostas na alta do dólar levou a moeda americana a recuar 1,46% ontem, encerrando cotada a R$ 3,712. O movimento, segundo especialistas, foi gerado pelo cenário eleitoral. Já o Ibovespa, principal índice da Bolsa de São Paulo, fechou estável, aos 86.087 pontos. Na véspera, a B3 havia registrado o volume recorde de R$ 29 bilhões.

Entre operadores, há a expectativa de uma vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pela Presidência, no fim deste mês. Ele é visto por agentes do mercado como mais favorável às reformas econômicas do que o petista Fernando Haddad.

Na avaliação de Cleber Alessie, operador da corretora H.Commcor, o que está acontecendo é um ajuste por parte dos investidores. Eles apostavam na alta da moeda americana, mas, com o cenário eleitoral mais definido, estão se desfazendo dessas operações, o que leva a uma desvalorização do dólar.


- O mercado está reduzindo as posições cautelosas. É um movimento técnico - explicou, ressaltando, porém, que novas pesquisas eleitorais devem voltar a causar volatilidade.

No exterior, o mercado de câmbio ficou mais pressionado no início dos negócios, devido ao fato de o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter revisado para baixo a previsão de crescimento global. Pesaram ainda dados mais fortes da economia americana, que podem afetar a política de juros nos Estados Unidos. O movimento, entretanto, se inverteu.

O Dollar Index, da Bloomberg, que mede o comportamento da divisa americana frente a uma cesta de dez moedas, terminou o dia em queda de 0,10%.

No mercado acionário, ThiagoBi si, economista chefe da Escola de Investimentos L& S, explicou que, após os movimentos mais expressivos dos últimos pregões, é natural um arrefecimento e até venda de ações para embolsar os ganhos:


- O cenário político parece estar mais ou menos definido. Isso se dá não só pelo favoritismo do candidato do PSL, mas porque parte dos deputados eleitos devem apoiá-lo em um possível governo. Isso reduziu a preocupação com a governabilidade.

As ações ordinárias (ON, com direito a voto) e preferenciais (PN, sem voto) da Petrobras fecharam em alta de 1,85% e 0,98%, respectivamente. As ações ON da Eletrobras subiram 3,68%, e as PN, apenas 0,15%.

A Marfrig liderou os ganhos. Seus papéis avançaram 7,59%, com a aprovação da venda da Keystone pelo órgão antitruste dos EUA.



Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]