Notícias do setor

Imóveis compactos caem no gosto de novos locatários e atraem investidores

InfoMoney, Imóveis, 11/nov

O cenário de juros baixos fica cada vez mais evidente no Brasil. A inflação controlada, pacotes de medidas de estímulos à economia, taxa Selic em 5% - em seu menor valor da série histórica - e uma disposição para novos cortes comprovam a tentativa de criar um ambiente mais estável. Nesse contexto, há um impacto no retorno dos aportes com estruturas pré-fixadas, como CDB, LCI, LCA, fundos de renda fixa e Tesouro Direto e os investidores precisam buscar alternativas para garantir ganhos atrativos.

Nessa toada, apostar em imóveis pode ser uma boa opção. A sinalização do mercado é que o cenário econômico vai ajudar a estabelecer um novo piso histórico nos juros do crédito imobiliário - o setor estima que a redução de cada ponto percentual na Selic represente desconto de 7% a 8% na parcela do financiamento. Bancos como Caixa Econômica Federal, Santander e Bradesco já divulgaram novas taxas e a expectativa é que haja um aquecimento da venda de imóveis nos próximos meses.

O fato é que o maior acesso aos financiamentos de imóveis voltou a ser realidade. "Estamos em um momento propício para apostar nessa frente. Seja para aplicar as reservas em um bem que servirá como fonte de renda, para comprar um novo imóvel e se mudar ou mesmo aumentar o patrimônio da família, esta é uma boa hora para investir", diz Caio Giovani, especialista em investimentos.

Na ponta do lápis é mais fácil de entender as vantagens. De acordo com o Índice FipeZap divulgado em outubro, o comprador que opta por investir em imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel tem um retorno médio anualizado de 5,34% para imóveis comerciais e de 4,64% para residenciais. Isso sem riscos de imprevisibilidade de retorno e sem aportar grandes quantias adicionais, como pode acontecer no mercado de ações, por exemplo.

Os queridinhos do mercado imobiliário

É preciso escolher bem para garantir que o retorno seja favorável. Uma das dicas é ficar de olho nas tendências do mercado imobiliário. Os apartamentos compactos continuam em alta e concentram grande parte dos lançamentos.

Segundo um levantamento da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL), o tamanho médio dos apartamentos lançados em São Paulo caiu de 62,8 metros quadrados em 2012 para 41,6 metros quadrados em 2018 - redução de 33%. E esta é uma tendência sem volta. Na maior cidade do país, 6 em cada 10 apartamentos vendidos têm menos de 45 metros quadrados, segundo levantamento do Secovi-SP.

A Tegra Incorporadora tem alguns exemplos de empreendimentos que apostam em imóveis menores, com espaços compartilhados e boa localização. O Ayla Moema Studio e Office, no bairro de Moema, é o lançamento da construtora com studios a partir de 21m²e ainda traz opções de salas comerciais de 24m² a 64m² na mesma torre, consolidando a tendência de evitar deslocamentos entre casa e trabalho.

Além disso, a Tegra prepara o lançamento de três outros empreendimentos na mesma linha: o D'oru Vila Nova Conceição, DSG Itaim e o Zahle Jardins. Todos apostando em design contemporâneo e com apartamentos studios e 1 dormitório, além de salas comerciais. Os futuros lançamentos estão localizados em bairros cobiçados de São Paulo, próximo a grandes centros empresariais e de entretenimento, universidades, hospitais e parques.

Esses imóveis costumam atrair o público interessado em praticidade no dia a dia e aliam a facilidade com um design arrojado e propício para quem gosta de receber visitas em um espaço prático e descontraído.

De acordo com a incorporadora, os empreendimentos que serão lançados em breve seguem um novo conceito de moradia, onde os espaços sob medida atendem às necessidades dos moradores que procuram regiões privilegiadas, com plantas onde a separação de cômodos já não é tão definida e os equipamentos do condomínio podem complementar a experiência do morador, como rooftop, espaços modulares para trabalhar e receber amigos, além de churrasqueira, salão de festas, Piscina e fitness.

As salas comerciais também voltam como grande atrativo para investimento, por estar em bairros sofisticados e com alta demanda em serviços, além de ser uma vantagem por reduzir distâncias de deslocamento.

Em resumo, além de serem atrativos para quem pretende morar no local, os imóveis compactos também são ótimas opções de investimento e saem na frente na hora da procura por aluguel. De acordo com o Secovi-SP, apartamentos de um dormitório levam entre 15 a 22 dias para serem alugados, enquanto os de dois quartos levaram até 24. Já os maiores demoram mais de um mês para encontrar um novo inquilino. Ou seja, os imóveis de até 50 metros quadrados caíram no gosto  dos novos locatários - e dos investidores.

Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]