Informe ADEMI

Outros Informes:

25 de setembro de 2018


Informe ADEMI




ADEMI - Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário


25 de setembro de 2018 ADEMI na imprensa | notícias do setor | hoje na imprensa

Quadro de Avisos

Projeto de lei determina exigência de certidão negativa de débitos junto a concessionárias de água e esgoto para transações imobiliárias

Projeto de Lei de autoria do Deputado Dionísio Lins, que determina a exigência de certidão negativa de débitos da concessionária de fornecimento de água e esgoto para transações imobiliárias, está pautado para ser votado nesta semana na Alerj. O Sinduscon-Rio, tendo em vista que, se aprovado o Projeto de Lei, sua transformação em norma estará trazendo ônus e burocracia para uma simples transação imobiliária, espera que tal projeto não venha a ser aprovado e, se aprovado, não venha a ser sancionado, posto que todas as transações imobiliárias, em princípio, são feitas livres e desimpedidas de quaisquer ônus, já havendo no ordenamento jurídico meios de responsabilização a quem burlar tal compromisso.

Notícias do Setor

Confiança da construção do Brasil sobe em setembro com melhora das expectativas, diz FGV (Extra online, Economia, 25/set)

As expectativas sobre os próximos meses se fortaleceram e a confiança da construção no Brasil voltou a avançar em setembro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. O Índice de Confiança da Construção (ICST) atingiu em setembro 80,3 pontos depois de avançar 0,9 ponto na comparação com agosto, embora o resultado não tenha sido suficiente para recuperar a queda de 1,6 ponto vista em agosto.

Preços cobrados por aluguel residencial estão mais baixos (Extra, Pollyanna Brêtas, 25/set)

O mercado imobiliário deu mais uma demonstração, em agosto, a favor dos inquilinos. Cerca de 80% dos bairros da capital carioca registraram queda no valor do aluguel no último ano, segundo levantamento mensal elaborado pelo Imovelweb, portal de mercado imobiliário. No mês, a locação de um apartamento padrão, de 65 metros quadrados, dois quartos e uma vaga de garagem ficou em média R$ 1.500 ao mês, acumulando queda real de 8% nos últimos 12 meses.

Volume de crédito imobiliário é metade do concedido há quatro anos (Folha de São Paulo, Mercado, 25/set)

O preço médio dos imóveis caiu 19% em relação ao pico de 2014. As taxas de juros estão muito próximas das mínimas históricas. Bancos e empresários do setor imobiliário afirmam que não houve aperto nos critérios para a concessão de crédito para moradias. No entanto, o total de financiamento imobiliário novo nos últimos 12 meses é 50% menor do que o dinheiro emprestado em 2014 ou 2015, no caso de pessoas físicas. Para pessoas jurídicas, a baixa real (descontada a inflação) é de cerca de 80%.

Governo inicia programa para promover concessões municipais (O Globo online, Manoel Ventura, 24/set)

Sem projetos de qualidade para atrair investidores interessados em concessões e parcerias nos municípios, o governo resolveu assumir a responsabilidade e irá estruturar essas propostas junto com as prefeituras. A ideia é passar logo para as mãos da iniciativa privada serviços que hoje são de competência dos municípios. Especialistas da Caixa Econômica Federal irão estruturar projetos e editais de concessão e parceria público-privada em áreas como saneamento e iluminação pública em cidades de médio porte.

União recebe imóveis de INSS e rede ferroviária (O Globo, Manoel Ventura, 25/set)

O governo publicou ontem medida provisória (MP) que transfere para a União R$ 7,4 bilhões em imóveis do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e da extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA). Os imóveis estão inoperantes, segundo o Ministério do Planejamento, e passarão a ser administrados pela Secretaria de Patrimônio da União (SPU). A transferência dos imóveis do INSS, que, até então, eram parte do Fundo do Regime Geral de Previdência Social, auxiliará na redução do déficit previdenciário, com a amortização das dívidas do fundo com o Tesouro Nacional.

Consumo de aço sobe; produção cai (Valor Econômico, Empresas, 25/set)

O consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos registrou alta de 11,4% em agosto, para 1,9 milhão de toneladas, na comparação anual. O levantamento, que reúne tanto as vendas de empresas locais quanto as importações, feito pelo Instituto Aço Brasil, manteve a tendência de avanço dos últimos meses. No acumulado do ano até agosto, o consumo aparente foi de 13,8 milhões de toneladas, avançando 10% na comparação anual. É o terceiro mês consecutivo de alta no consumo, cuja curva de crescimento havia sido interrompida em maio, devido à greve dos caminhoneiros.

Bancos europeus fecham acordo para testar hipotecas ecológicas (UOL, Economia, 25/set)

Trinta e nove bancos europeus concordaram em testar um novo tipo de hipoteca ecológica por meio da qual os tomadores de empréstimos asseguram que suas propriedades cumpram uma série de padrões de eficiência energética. Os padrões propostos estão sendo estabelecidos pela organização World Green Building Council e respaldados, por exemplo, pelo banco francês BNP Paribas e pela empresa de serviços públicos alemã EON.

Estudo destaca 'oportunidades' imobiliárias (DCI, Milton Paes, 25/set)

A Saber Fazer Marketing & Negócio, especializada em inteligência do mercado imobiliário, apresentou um estudo sobre o déficit habitacional e as oportunidades para o mercado imobiliário diante do desafio de prover moradias nas mais diversas cidades do Estado de São Paulo e da Região Metropolitana de Campinas.

Inflação medida pelo IPC-S ganha força em cinco capitais, nota FGV (Valor Econômico online, Brasil, 25/set)

Cinco de sete cidades avaliadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) registraram inflação maior na terceira leitura de setembro. Em Brasília, por exemplo, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) saiu de 0,44% para 0,67% de aumento e, em São Paulo, passou de 0,31% para 0,49%.

IPCA volta a subir nas projeções do Focus (Valor Econômico, Brasil, 25/set)

A mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação em 2018 subiu de 4,09% para 4,28%, segundo a pesquisa semanal Focus, do Banco Central. Para 2019, o ponto-médio das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) também subiu, de 4,11% para 4,18%. Para os próximos 12 meses, a estimativa registrou alta de 3,90% para 4,04%. Entre os economistas que mais acertam as previsões, os chamados Top 5, de médio prazo, a mediana para a inflação de 2018 também subiu, de 4,17% para 4,38%, e manteve-se em 4,10% para 2019.
Hoje na Imprensa
Base fraca favorece recuperação no 3º trimestre (Valor Econômico, Brasil, 17/set)
Eleição reforça instabilidade, e dólar volta a subir e Bolsa cai (Folha de São Paulo, Mercado, 25/set)
Brasil é o 71º em capital humano entre 195 países (O Globo, Daiane Costa, 25/set)
sugestões | cancelar a assinatura | alterar e-mail
visite o site | seja sócio | estatuto | fale conosco
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]