Notícias do setor

Sítio com plantas raras e 3,5 mil espécies disputa título

O Globo, Matheus Maciel, 11/set

Legado do paisagista que criou o conceito de jardim tropical moderno, o Sítio Burle Marx está mais próximo de ser reconhecido como Patrimônio Mundial da Unesco. Na segunda-feira, a botânica venezuelana Maria Eugênia Batti, responsável pela avaliação da candidatura vencedora do Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte, chegou ao Rio para fazer a análise final do local. Ela é ligada ao Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), que assessora a Unesco.

- Essa candidatura do sítio vem sendo construída há anos e chega agora a um momento fundamental - diz a presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa.

O que estará na balança é o "valor universal excepcional do sítio", que tem mais de 3,5 mil espécies de plantas, algumas delas extintas em seus locais de origem, um acervo museológico com 3 mil itens, sete edificações, cinco espelhos d'água e sete viveiros onde são cultivadas as espécies que necessitam de baixa exposição solar.

- A candidatura valoriza tanto o jardim como laboratório botânico e local de pesquisa quanto a sua vocação paisagística - diz Kátia.

Dentre as espécies do sítio, destacam-se a Corypha umbraculifera, uma espécie rara de palmeira que exibe, por um curto período, flores brancas. Por coincidência, elas estarão visíveis durante a visita da bióloga. Os jardins têm também cerca de 50 plantas descobertas pelo paisagista - mais de 20 levam o nome dele. Um exemplo é Heliconia burle marxii, que chama a atenção com suas cores vibrantes.

Envie para um amigo
Imprima este texto
 
 
 
 

webTexto é um sistema online da Calepino

Matéria impressa a partir do site da Ademi Rio [http://www.ademi.org.br]